Card image
Competições
Dixon vê terceira fabricante como próximo passo da Indy

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 30/01/2019
  • Atualizado: 27/03/2019 às 9:44
  • Por: Leonardo Marson

A Indy vive um bom momento, depois de garantir um novo patrocinador master e contar com um novo acordo de TV nos Estados Unidos. Para Scott Dixon, pentacampeão e um dos mais veteranos pilotos da categoria americana, o próximo passo é levar para o campeonato um terceiro fabricante de motores, que possa rivalizar com Chevrolet e Honda.

LEIA MAIS:
Andretti escala Conor Daly para correr a Indy 500
Carlin renova com Chilton para temporada 2019 da Indy
Indy anuncia a NTT como nova patrocinadora master
Presidente da Indy crê em retorno para a Austrália em 2020

Desde que adotou os atuais motores biturbo V6 2,2 litros, em 2012, apenas a Lola, no primeiro ano do novo regulamento, concorreu com Chevrolet e Honda – que seguem no campeonato até os dias atuais. Porém, a marca enfrentou muitos problemas e, após um ano em que os carros equipados com seus equipamentos apresentavam clara falta de ritmo, a fabricante deixou a categoria.

“Para mim, a Indy tem sido positiva pela maior parte da minha carreira, pelo menos do ponto de vista competitivo e das corridas. Só levou um pouco de tempo para que as pessoas notassem. Mas, com a NTT e o acordo da NBC, acho que ela será grande em todas as plataformas. Agora, há a necessidade de uma terceira fabricante, o que ajudaria definitivamente no crescimento”, disse Dixon, em entrevista ao site Motorsport.com.

“Acho que a Indy tem a possibilidade de voltar ao seu auge, onde ela merece estar, porque as corrias são muito boas. Eu amo fazer o que faço. Me sinto muito sortudo e privilegiado por correr em uma das melhores equipes do ramo. E, ocasionalmente, conseguimos vencer também! Isso é divertido. Mas sim, uma terceira fabricante é a próxima grande coisa para nosso crescimento”, seguiu o veterano.

Uma prova do atual bom momento da categoria americana, segundo Dixon, foram os rumores que ligavam seu nome à chegada da McLaren. Especulou-se de que o time inglês pudesse ter uma operação para disputar toda a temporada, mas a equipe correrá com Fernando Alonso apenas as 500 Milhas de Indianápolis. Assim, o neozelandês partirá para seu 18º ano com a Chip Ganassi.

“Tenho muita sorte por estar com essa equipe por um período tão longo – esta será nossa 18ª temporada juntos. E Chip Ganassi é um tremendo competidor que tenta extrair tudo de cada situação. Mas acho que, contratualmente, Chip tem de olhar para suas opções e nós temos que olhar as nossas. Isso vai mudar em alguns anos? Quem sabe”, explicou Dixon.

“Houve muito mais mídia neste ano do que na maioria dos anos em que negociamos, apesar de que nada veio de nossa parte. Acho que isso captura um interesse muito maior, e acho que foi válido, porque a McLaren está chegando. E também é importante para o crescimento da categoria”, completou.

Foto: IndyCar