Responsive Menu
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Kubica revela ter tido acordo com a Ferrari em 2012

Autor: Leonardo Marson


Robert Kubica revelou nesta quarta-feira (11) que tinha acordo assinado com a Ferrari para disputar a temporada daquele ano da Fórmula 1, substituindo Felipe Massa na equipe italiana. No início de 2011, o polonês, então piloto da Renault, sofreu um acidente durante o rali Ronde di Andora, após bater contra um guard-rail. Com muitos ferimentos, o piloto ficou em risco de vida, e convive até hoje com limitações no braço por conta da colisão.

LEIA MAIS:
Fabricantes pedem manutenção de regras para motores em 2021
Líderes da F1 escolhem mesmos pneus para o GP da Alemanha
Hamilton perdoa Räikkönen por acidente em Silverstone
Segundo, Hamilton cutuca Ferrari após GP da Inglaterra

O polonês deixou a Fórmula 1 naquele ano e retornou apenas nesta temporada a principal categoria do automobilismo mundial, na condição de piloto reserva da Williams. Durante participação no podcast da categoria, Kubica confirmou que tinha acordo firmado com o time de Maranello para correr na temporada de 2012, substituindo Felipe Massa, que àquela altura não conseguia ter resultados semelhantes aos de Fernando Alonso.

“O primeiro objetivo é entrar na F1. A segunda é se estabelecer na F1, então você tem um bom valor, uma boa reputação, que é mais difícil do que entrar. Terceiro, você ganha um campeonato mundial ou se torna um piloto da Ferrari. Eu não ganhei um campeonato mundial, no final, eu não me tornei um piloto da Ferrari, mas eu estava muito próximo”, disse Kubica.

Sobre a participação na prova fora de estrada em Andorra, Kubica disse considerar não participar do evento, mas que o receio de decepcionar a equipe que organizou o rali, além de saber que a Ferrari não o permitiria correr neste tipo de corrida o fizeram entrar na disputa. O acidente, admite o polonês, é mais doloroso por saber ter perdido a vaga na Ferrari hoje do que na época do ocorrido.

“Minha recuperação foi tão difícil que, nos primeiros 18 meses, isso não doeu porque eu estava me concentrando em meus ferimentos e recuperação. Quanto mais o tempo passa, mais difícil isso se torna. Houve momentos difíceis em que a recuperação e as cirurgias tomaram 100% de mim, mas eu perdi a F1. A recuperação foi dolorosa, mas não mais doloroso do que saber que eu deveria estar na Ferrari. É mais doloroso agora”, completou.

Foto: Williams


Racing Online

Racing Online

error: Conteúdo protegido!